Prefeitura de Encruzilhada do Sul 

Prefeitura de Encruzilhada do Sul



Acesso Rápido

Notícias » Dívida do governo do Estado com o Hospital Santa Bárbara chega a R$ 1,5 milhão

15/07/2015

O Hospital Santa Bárbara vive a pior crise de sua história. A falta de repasses do governo estadual já levou o administrador Celso Teixeira a tomar medidas drásticas tais como a suspensão da compra de medicamentos. “Só estamos adquirindo os remédios imprescindíveis para o setor de emergência”, revela. A gravidade da situação enfrentada pelo Hospital Santa Bárbara foi revelada em detalhes para representantes da comunidade, durante reunião ocorrida na tarde da última segunda-feira. Atendendo convite do administrador Celso Teixeira, participaram do encontro a prefeita Laíse de Souza Krusser, secretário de Saúde Pedro Paulo dos Santos Soares, secretário geral de Governo Alaur Soares, secretário de Administração Pedro Florisbal Machado, presidente da Câmara de Vereadores Rosângela Maria Gemeli Nader e vereadores Marco Antonio Grandini(Boca da Sucam), Márcio Rassier, Álvaro Sperb e Carlos Alberto Lopes Prestes (Diudio). Em sua manifestação o administrador Celso Teixeira revelou que diante da crise financeira enfrentada pelo Hospital, dez servidores foram demitidos. Os demais funcionários já foram avisados sobre a possibilidade de que o salário de julho possa sofrer atraso. “Nao temos como garantir o pagamento dos salários, pois não sabemos quando e quanto receberemos de repasse do governo estadual”, mostrou Celso Teixeira, revelando que os funcionários foram liberados do ponto. O Hospital Santa Bárbara também determinou a limitação de cirurgias eletivas e já analisa a possibilidade de reduzir exames e atendimento de traumatologia. Durante a reunão foi distribuído um documento mostrando os recursos que o Hospital Santa Bárbara tem a receber do governo estadual. O valor chega a R$ 1.524.800,00. Neste total está incluída a segunda parcela destinada a construção do prédio do Pronto Atendimento, equivalente a R$ 441.800,00. “Já fomos comunicados pelo governo do Estado que esta parcela não será paga este ano”, disse Celso Teixeira.

Telefones Úteis